Carlos Costa confirmado como novo governador do BdP

O Conselho de Ministros aprovou hoje o nome proposto pelo ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, para o cargo de Governador do banco de Portugal. Carlos da Silva Costa, economista ocupava o cargo de vice-presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI), foi o escolhido, anunciou esta tarde o próprio ministro.

O Governo anunciou que o substituto de Vitor Constâncio será Carlos Costa, que até agora era vice-presidente do BEI, com sede no Luxemburgo, confirmando uma notícia avançada pelo 'Diário Económico'. Nascido em Novembro de 1949, Carlos Costa conta com um vasto currículo, todo ele ligado ao sector bancário.

Licenciado em Economia, pela Faculdade de Economia do Porto, Carlos Costa foi administrador da CGD, destacando-se, entre as suas funções, a área internacional. Deste forma, presidiu ao Banco Simeon até à entrada em funções da actual administração do banco espanhol da Caixa, no Verão passado. Foi igualmente membro da administração do Unibanco, em representação do banco português, entre Janeiro e Agosto de 2005.

Antes de chegar à Caixa, Carlos Costa ocupava o cargo de director para a área internacional do Banco Comercial Português.

No BEI conseguiu aumentar de forma significativa os projectos do banco relacionados com Portugal. Ocupou também cargos internacionais, nomeadamente na direcção da Associação de Bancos Europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.