Carga fiscal diminuiu 5,9% em 2012

A carga fiscal diminuiu 5,9% em 2012, depois de ter aumentado em 2010 e 2011, representando 33,2% do Produto Interno Bruto (PIB), revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O ano de 2012 foi o único com diminuições simultaneamente em todas as componentes da carga fiscal, sublinha o INE, ressalvando que os dados comparáveis só existem desde 1995.

"Em 2012, as medidas tomadas não permitiram impedir a redução da receita de impostos, tanto em termos nominais como em percentagem do PIB", refere o INE.

A diminuição da carga fiscal no ano passado foi generalizada, atingindo as receitas de impostos diretos (menos 8,3%) como o IRS ou IRS, de impostos indiretos (-3,9%) como o IVA ou o IMI e as contribuições sociais (-6,2%).

O INE diz que a diminuição da carga fiscal está associada à forte contração da procura agregada e à diminuição da população empregada.

No IRS, apesar das medidas tomadas para alargar a base fiscal, como a tributação de parte do subsídio de almoço ou a redução das deduções em despesas de saúde e encargos com imóveis, registou-se uma redução em 6,7% da sua coleta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.