Capital do Móvel acusa Galiza de "proteccionismo abusivo"

O presidente da Associação Empresarial de Paços de Ferreira, Pedro Vieira de Andrade, acusa a Junta da Galiza de "proteccionismo abusivo" ao "boicotar" a realização de feiras de mobiliário "Capital do Móvel" em dois recintos galegos.

"É uma protecção abusiva de um governo regional em relação aos produtos comercializados lá", disse à Lusa o presidente da Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF), adiantando que o "boicote" obrigou à alteração do plano de internacionalização para 2009.

Em declarações à Lusa, Pedro Vieira de Andrade explicou que "as feiras 100%
'Capital do Móvel' tiveram uma aceitação muito grande por parte do mercado galego e, quando as associações empresariais se aperceberam disso, fizeram muita pressão sobre o governo autónomo da Galiza, que é proprietário dos recintos das feiras".

Depois de, em 2008, a AEPF se ter confrontado com "exigências absurdas", que a impediram, por exemplo, de "publicitar as feiras de mobiliário", contou, a Capital do Móvel não voltou a ter espaço para a organização do evento que se realizava na Corunha e em Vila Garcia de Arousa.

"O ano passado já não fizemos nenhuma [feira], tivemos várias reuniões e os responsáveis assumiram que não nos alugavam os recintos, mas nunca puseram isso por escrito", afirmou, acrescentando que têm mantido os contactos para a realização das feiras, em 2010, sem sucesso.

"Hoje continuamos a tentar alugar os recintos, mas não acredito que se consiga sem intervenção superior", realçou.

Vieira de Andrade estranha o boicote à promoção e divulgação dos móveis de Paços de Ferreira na Galiza quando "se fala tanto das relações entre o norte de Portugal com a Galiza".

O presidente da AEPF adiantou que o plano de internacionalização, aprovado pela AICEP, "não pôde ser concretizado por causa desta situação".

Segundo o porta-voz da indústria do mobiliário, "o sector não pode deixar de estar no mercado galego, que representa cerca de 15% a 20% do mobiliário vendido".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.