BCE enviou 5 mil milhões em camiões para Chipre

O Banco Central Europeu (BCE) enviou para Nicósia, capital de Chipre, cinco mil milhões de euros em camiões blindados para permitir que os bancos cipriotas tivessem hoje dinheiro e pudessem finalmente abrir as portas. Foi tudo feito em segredo e durante a noite passada, mas mesmo assim a operação foi noticiada pela revista alemã 'Spiegel' e os camiões fotografados pela agência Reuters. Segundo o 'El Mundo' online, trata-se do maior transporte de dinheiro desde o nascimento do euro.

As forças de segurança de Chipre, que foram posicionadas em todo o território da ilha a partir das oito horas desta manhã para evitar situações de saque ou crimes, estiveram a assegurar a escolta dos camiões que transportavam o dinheiro.

A 'Spiegel', citada esta manhã pelo site do 'El Mundo', detalha toda a operação: o BCE, com sede em Frankfurt, na Alemanha, fretou um barco com dinheiro fresco. Este atracou durante a noite passada no porto de Larnaca, na república de Chipre, tendo os cinco mil milhões de euros sido em seguida transportados pelos camiões até ás instalações do Banco Central de Chipre.

O comboio de veículos, refere o site da mesma publicação, foi acompanhado durante o percurso por um helicóptero da polícia. Trata-se, segundo o 'El Mundo' online, do maior transporte em numerário desde que a União Europeia criou o moeda única. Chipre, que entrou na UE em 2004, aderiu ao euro em 2008.

O BCE, que perante estas notícias apenas disse que não queria fazer comentários, tentou desta forma assegurar a liquidez nos bancos cipriotas, os quais estavam encerrados desde o dia 16.

Recorde-se que foi na madrugada deste dia que, em Bruxelas, o Eurogrupo aprovou um plano de resgate para a República de Chipre no valor de 10 mil milhões de euros. Ligado a esse plano estava um imposto sobre os depósitos bancários, que se tornou de imediato alvo de forte contestação, tanto em Chipre como no resto da Zona Euro. As condições foram depois alteradas pelo Governo e Parlamento cipriotas, devendo agora este imposto ser aplicado apenas aos depósitos superiores a 100 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.