Banco Popular com lucros de 32 milhões de euros

O resultado alcançado nos primeiros seis meses superou o do período homólogo em 30,8 milhões de euros

O Banco Popular Portugal (BPP) obteve lucro de quase 32 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, informou a instituição em comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Imobiliários (CMVM).

Neste mesmo período, "o ativo líquido do Banco Popular ascendia a 8,2 mil milhões de euros", lê-se aindano comunicado.

O banco justifica este resultado líquido sobretudo com "a rubrica outros resultados de exploração, em cerca de 45 milhões de euros, resultante da alienação da unidade de negócio responsável pela gestão de ativos imobiliários e de exposições creditícias de clientes associadas ao setor imobiliário".

No primeiro semestre de 2015, o Banco Popular Portugal apresentava capitais próprios no montante de 720,478 milhões euros e geria mais de 9,2 mil milhões de euros de ativos totais, de acordo com a informação prestada ao regulador do mercado.

Num balanço geral, o banco, que, em 2011, passou por um processo de liquidação, e que conta com uma rede de 169 agências de 1.296 trabalhadores, registou uma margem financeira de 60,4 milhões de euros até junho, uma queda de 2,7% face ao mesmo período em 2014, devido "à redução superior a 20% nos juros e rendimentos similares e de mais de 35% nos juros e encargos similares".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.