Apple prevê chegar aos 200 mil milhões em pagamentos aos acionistas

O gigante norte-americano da eletrónica voltou a bater as expectativas dos investidores, mas continua com as suas receitas muito dependentes das vendas do iPhone.

A Apple revelou hoje os seus resultados para o primeiro trimestre do ano, anunciando que vai distribuir mais 70 mil milhões de dólares (64,3 mil milhões de euros) aos seus acionistas. E divulgou que irá expandir o seu processo de recompra de ações e de pagamentos de dividendos até um total de 200 mil milhões de dólares (183,7 mil milhões de euros) até ao fim de março de 2017, noticia o Financial Times (FT).

Trata-se de um reforço de capitalização da empresa mais valiosa do mundo - sobe dos 130 mil milhões de dólares previstos há um ano. Uma perspetiva otimista baseada no crescimento de receita de 27% (58 mil milhões de dólares - 53,2 mil milhões de euros) que a empresa obteve nos primeiros três meses do ano (naquele que é o segundo trimestre fiscal nos EUA).

Um aumento de receita muito baseado no êxito do iPhone, cujas vendas cresceram 40% face ao trimestre anterior. Foram vendidos 61,2 milhões destes 'smartphones' em todo o mundo entre 1 de janeiro e 31 de março.

"Estamos a observar uma percentagem maior de pessoas a mudar para o iPhone do que vimos nos períodos anteriores", disse o presidente executivo da Apple, Tim Cook, em comunicado citado pelo FT.

Este responsável mostrou-se ainda otimista relativamente às vendas do novo 'gadget' da empresa da maçã, o Apple Watch.

Pior performance teve a linha de 'tablets' da marca, os iPad: as vendas ficaram abaixo das expectativas em 12,6 milhões de unidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.