Aeroporto do Porto é hoje o mais afetado pela greve na TAP

Mantém-se tendência para realização de voos, indica a empresa. Maioria dos voos cancelados são da Portugália.

A TAP informou hoje que às primeiras horas do segundo dia de greve dos pilotos se mantém a tendência para a realização de voos, com mais cancelamentos por parte da Portugália, os quais afetam o aeroporto do Porto.

"Hoje temos um panorama semelhante ao dia de ontem [sexta-feira] com as tripulações a se apresentarem ao serviço para a realização dos voos nos vários aeroportos", afirmou à Lusa a porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) Carina Correia.

O aeroporto do Porto é o mais afetado por cancelamentos, sobretudo voos operados pela Portugália, acrescentou a mesma fonte.

Ao contrário do sucedido no primeiro dos dez dias de greve (sexta-feira) na TAP e na Portugália não foram revelados números da adesão às 08:00, alegando a empresa que o maior número de partidas se deverá realizar ao longo da manhã.

No primeiro dia de greve, a TAP contabilizou até às 17:00 de sexta-feira 155 voos realizados de um total de 227 voos programados, ou seja, cerca de 70 por cento dos voos agendados.

Segundo a empresa, na TAP registaram-se 83,3% dos voos e, na Portugália, 21,1%, o que resulta numa maior adesão à greve na Portugália.

Dados que contrariam os do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), segundo o qual a TAP realizou apenas 36% dos voos programados, que excluiu desta percentagem os voos dos serviços mínimos.

O primeiro dia de greve ficou marcado por uma reunião do Governo com o presidente da TAP, Fernando Pinto. No final da reunião, o ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou aos jornalistas que já não havia "nada para negociar" com os pilotos.

Os pilotos da TAP entram hoje no segundo de dez dias de greve por considerarem que o Governo não está a cumprir dois acordos, assinados em 1999 e em dezembro de 2014.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.