2,4 milhões de clientes no mercado livre de eletricidade

O mercado livre de eletricidade fechou janeiro com cerca de 2,4 milhões de clientes, um aumento de 131 mil clientes em relação a dezembro de 2013, segundo dados divulgados hoje pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

De acordo com o resumo informativo do mercado liberalizado de eletricidade, o número de clientes no mercado livre subiu 5,8% em janeiro, cerca de 0,2 pontos percentuais acima do aumento verificado no mês anterior.

"Desde janeiro de 2013, o número de consumidores no mercado livre praticamente duplicou, a uma taxa média mensal de cerca de 5,3%", lê-se no documento, segundo o qual o mercado livre de eletricidade representou, em janeiro, 73,7% do consumo total em Portugal continental.

Em janeiro, foram ainda registadas 9.454 mudanças de carteira entre comercializadores em mercado livre.

No primeiro mês deste ano, a EDP Comercial manteve a liderança em número de clientes (cerca de 85% do total) e em termos de consumos (cerca de 44% dos fornecimentos).

Na comparação com dezembro de 2013, a empresa do grupo EDP reforçou em 0,4 pontos percentuais a quota em número de clientes, tendo reduzido em 0,4 pontos percentuais a quota em consumo.

Em termos de número de clientes, a Galp (5,1%) e a Iberdrola (2,9%) aumentaram a sua quota, ambas em 0,1 ponto percentual, enquanto a da Endesa (6,7%) baixou em 0,5 pontos percentuais.

Quanto a consumos abastecidos, a Endesa (21%) e a GN Fenosa (4,2%) aumentaram as quotas de mercado em 1,2 e 0,1 pontos percentuais, respetivamente, ao passo que a Iberdrola (20%) e a Galp (5,9%) registaram quedas de 1,0 e 0,1 pontos percentuais, respetivamente.

O processo de liberalização do mercado retalhista de energia elétrica está em período de transição, com a liberalização plena a ocorrer no final de 2015.

Em janeiro, existiam ainda quase quatro milhões de clientes no mercado regulado de eletricidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.