Governante sobre OE2012: "Precisamos de muita sorte"

O secretário de Estado do Orçamento disse esta tarde, no Porto, que "as medidas no Orçamento do Estado (OE) para 2012 são suficientes" para atingir o défice de 4,5 por cento, mas sublinhou que, "evidentemente, precisamos de muita sorte".

Luís Morais Sarmento referiu "haver muitos riscos macroeconómicos, que não temos capacidade de influenciar ou dominar, porque é completamente exógeno" ao Governo e a Portugal.

O governante comentou assim a previsão da The Economist Intelligence Unit, a unidade de estudos da revista britânica The Economist, segundo a qual Portugal precisará de mais ajuda financeira nos próximos anos, o que implicará ainda mais austeridade e também uma subida dos impostos, diz o relatório, citado no Diário Económico de hoje.

Morais Sarmento deu a sua opinião durante o debate sobre OE de 2012 que a consultora Deloitte realizou hoje e terça-feira, na Fundação de Serralves.

"O que temos de fazer bem é o nosso trabalho de casa, mas se as coisas correrem menos bem teremos de ver que medidas adicionais serão necessárias" para alcançar os 4,5 de défice no próximo ano, defendeu o secretário de Estado, que não prestou declarações à comunicação social e regressou logo a Lisboa após a sua intervenção no debate.

Seja como for, Luís Morais Sarmento repetiu que "o Governo comprometeu-se a tudo fazer" para atingir esse défice, "o que poderá implicar medidas adicionais".

O orçamento baseia-se num cenário macroeconómico "muito realista, mas há muita incerteza", insistiu.

A propósito de uma questão sobre o fim dos "incentivos fiscais à interioridade", o secretário de Estado defendeu também que o "processo de ajustamento" definido pelo Governo "será muito exigente", tanto que "obrigará também a um processo de ajustamento cultural, porque não podemos voltar para trás".

"Não me parece que podemos retomar a situação anterior", por exemplo, em sectores como a Saúde.

Na sua intervenção sobre o OE para 2012, Luís Morais Sarmento disse estarem previstas "medidas de consolidação de 5,3 por cento, um esforço a que nunca no passado o pais teve de se sujeitar".

O governante falou também dos "desafios imediatos" que o orçamento comporta, ente os quais avulta "a fragmentação da informação orçamental".

"Há, de facto, 600 orçamentos" na administração central, "o que significa que há cerca de 600 executores orçamentais", afirmou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG