Salários entre 1750 a 2100 euros levam corte a triplicar

A medida que corta salários de forma "transitória" e "estrutural" na função pública - e que alegadamente visa proteger os trabalhadores mais qualificados - vai ser três vezes mais penalizadora para quem ganha entre 1750 e 2100 euros ilíquidos comparando com a medida que vigorou até agora.

E quem está na fronteira dos 2500 euros terá o dobro do corte face à redução aplicada entre 2011 e 2013. Os cálculos do Dinheiro Vivo às novas regras da redução remuneratória prevista no Orçamento de Estado de 2014 mostram claramente que nem os trabalhadores qualificados ficam a salvo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG