Mário Lino deixa CGD por acumular pensão e salário

O antigo ministro das Obras Públicas, Mário Lino, deixou de ser o presidente do conselho fiscal da Fidelidade Mundial e da Império Bonança, as seguradoras da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Em causa está o facto de Lino acumular a reforma com o salário que auferia pelo cargo nas seguradoras, avança o Diário Económico.

Para o seu lugar vai Pedro Antunes de Almeida, que era consultor da Casa Civil da Presidência desde março de 2011 e foi secretário de Estado do Turismo no Governo de Durão Barroso.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG