Portugueses tiram 2 ME dos certificados de aforro

As famílias continuam a tirar as suas poupanças da dívida pública portuguesa, com o valor aplicado em certificados de aforro e certificados do tesouro a voltarem a cair em abril. Segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública -- IGCP, o valor aplicado pelos particulares em certificados de aforro no final de abril caiu dois milhões de euros, para os 9.691 milhões de euros

Apesar do valor ser residual, o Ministério das Finanças e o IGCP decidiram no final do ano passado melhorar a rendibilidade deste instrumento para impedir o forte desinvestimento que estava a acontecer nos certificados de aforro. Isto aconteceu após a suspensão de novas subscrições de certificados do tesouro, que tinham sido criados em 2010 precisamente para atrair poupanças que os certificados de aforro não estavam a conseguir captar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.