"Galp pode contestar, mas estamos confiantes na nossa decisão"

A Autoridade da Concorrência aplicou uma multa de 9,3 milhões de euros à Galp por praticas anticoncorrenciais no mercado do gás de botija.

A Autoridade da Concorrência (AdC) não está preocupada com a contestação que a Galp se prepara para fazer em tribunal à multa que lhe foi aplicada por práticas anticoncorrenciais no mercado do gás de botija.

"Se a Galp quiser contestar está no seu direito e é algo que encaramos com toda a normalidade, mas estamos confiantes na nossa decisão", disse o presidente daquela entidade, António Ferreira Gomes, numa audiência do Parlamento.

E até acrescentou que todas as decisões semelhantes que a AdC tem tomado têm sido confirmadas pelo Tribunal da Concorrência, ainda que "algumas com redução das coimas aplicadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.