Concorrência diz que podem existir infracções no mercado dos combustíveis

Presidente da Autoridade diz que para atuar precisa de indícios de que essas infrações existem.

O presidente da Autoridade da Concorrência, António Ferreira Gomes, admitiu hoje que podem existir infrações ou situações de concertação no mercado dos combustíveis, mas que precisa de indícios suficientes para poder investigar.

"Podem existir infrações no mercado de combustíveis, agora a questão é saber se a AdC já tem os indícios necessários para atuar", comentou Ferreira Gomes esta manhã, na Comissão de Economia.

Para o presidente da Concorrência, o mercado dos combustíveis é de facto propício a que haja concertação de preços, mas que isso só por si não é ilegal. Para ser ilegal é necessário que seja detetada uma comunicação entre os operadores nesse sentido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.