Estado tem pouca margem para reduzir funcionários

Ministra das Finanças lembra que os funcionários públicos não podem sair mesmo que serviços acabem

A ministra das Finanças afirmou hoje que a ideia de fundir serviços públicos é pertinente, mas que o Estado dispõe de instrumentos limiados para lidar com as consequências desse processo.

"A ideia de extinguir serviços é pertinente mas o que fazemos aos funcionários públicos desses serviços? Não se pode dispensá-los e temos dificuldade em limitar o que lhes pagamos", afirmou Maria Luís Albuquerque durante um encontro promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG