Anonymous reagem com pirataria ao fecho do Megaupload

Uma das mais famosas plataformas de partilha de ficheiros na internet, o Megaupload, foi encerrada por decisão da justiça norte-americana, acusada de violação dos direitos de autor. Movimento Anonymous reagiu de imediato anunciando ter posto offline as páginas de Internet do ministério da Justiça norte-americano e da editora Universal Music, entre outras.

O site ficou inacessível desde quinta-feira e, segundo informações veiculadas pela Agência Lusa, foram, apreendidos 50 milhões de dólares das contas da sociedade com sede em Hong Kong e processados sete dos seus responsáveis, anunciaram na quinta-feira as autoridades norte-americanas.

O FBI (polícia federal norte-americana) e o ministério da Justiça norte-americano consideraram num comunicado que se tratava de um dos "maiores negócios de violação dos direitos de autor jamais realizados nos Estados Unidos".

Segundo as autoridades norte-americanas, as sete pessoas processadas são "responsáveis por uma pirataria considerável na Internet de numerosos tipos de conteúdos protegidos pelos direitos de autor através do Megaupload.com e de outras páginas de Internet".

Estas pessoas são acusadas de ter ganho cerca de 175 milhões de dólares com o negócio, provocando "mais de meio milhão de dólares de perda aos detentores dos direitos", oferecendo na sua página filmes, séries e outros produtos pirateados, prosseguem as autoridades americanas.

A Megaupload Ltd, e uma outra empresa ligada ao negócio, a Vestor Ltd, foram acusadas por uma câmara de acusação da Virgínia de violações de direitos de autor, mas também de tentativa de extorsão e branqueamento de dinheiro, infrações passíveis de 20 anos de prisão.

Das sete pessoas acusadas, quatro foram detidas na Nova Zelândia, incluindo o fundador da página de Internet, Kim Dotcom, 37 anos, também conhecido como Kim Schmitz e Kim Tim Jim Vestor, com base nos mandados de captura emitidos pelos Estados Unidos.

O encerramento do Megaupload.com provocou represálias do grupo de piratas da Anonymous, que anunciou no Twitter ter posto offline as páginas de Internet do ministério da Justiça norte-americano, da editora Universal Music e da associação profissional RIAA.

Estas quatro páginas de Internet ficaram inacessíveis na quinta-feira à tarde.

A Anonymous ficou conhecida por numerosas ações de pirataria em todo o Mundo.

Em agosto, a página de Internet do ministério sírio da Defesa foi pirateada em sinal de protesto contra a repressão do movimento de contestação.

O anúncio do encerramento do Megaupload.com surge numa altura controversa nos Estados Unidos relativamente à discussão de projetos de lei antipirataria, que levaram a Wikipedia a bloquear o acesso aos seus serviços em inglês na quarta-feira e o Google a mascarar o seu logótipo.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG