Cortar 4 mil milhões de uma só vez "pode dar asneira"

O antigo ministro das Finanças, José Silva Lopes, considerou hoje que cortar 4 mil milhões de euros na despesa de uma só vez "pode ser difícil e dar asneira" e diz que já se cortou muito no setor da Saúde.

"Admito que cortar 4 mil milhões de euros de uma só vez pode ser difícil, pode ser necessário, mas pode ser difícil e dar asneira. Já vimos que o Governo já fez algumas tentativas de cortes da despesa e aumentos da receita que deram asneira, e o caso da Taxa Social Única (TSU) foi um deles, vamos lá ver agora o que vai acontecer com este agravamento de impostos", afirmou José Silva Lopes.

O antigo governante, que falava à margem da conferência para uma Reforma Abrangente da Organização e Gestão do Setor Público, organizada pelo Banco de Portugal e pelo Conselho de Finanças Públicas que decorre em Lisboa, considerou ainda que "já se cortou muito" na Saúde, admitindo ainda margem para poupanças inteligentes, e que a Educação é a seu ver onde "é capaz de haver mais" espaço para cortes.

Silva Lopes considera ainda que o prazo para se concluir um plano para cortar a despesa é muito curto.

"A reforma tem de ser praticamente sempre permanente, de uma forma geral é impossível, tem de ser setor a setor. Obviamente há aspetos mais globais, precisa de ter um horizonte grande para as finanças públicas, saber quanto é que o Estado deve gastar em função daquilo que os contribuintes quiserem pagar. Agora, tudo isto não se resolve em três meses, de maneira nenhuma", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG