Capital estrangeiro dá 9% do emprego

O emprego nas empresas com maioria de capital estrangeiro aumentou de 6% para 9% entre 1986 e 2009, com estas a assegurarem 170 mil novos postos de trabalho. O estudo da Augusto Mateus & Associados revela que o envolvimento do capital estrangeiro nas empresas em Portugal assume precisamente "especial relevância" no emprego. No entanto, Portugal posiciona-se no "pelotão de trás" da UE a 27 quanto à relevância do investimento direto estrangeiro no total do investimento privado do País. Apesar disso, as empresas estrangeiras "tendem a ser maiores e mais produtivas" do que a média das empresas portuguesas.

Chegam a exceder entre nove (no caso dos transportes e armazenagem) e 27 vezes (nos serviços de apoio, alojamento e restauração) a dimensão das suas congéneres portuguesas. Já na produtividade, as empresas estrangeiras chegam a gerar entre duas (alojamento e restauração) a quatro vezes mais (no caso das atividades artísticas) valor por empregado.

E que tipo de emprego gera o IDE em Portugal? Saiba que a indústria transformadora foi destronada e são as instituições financeiras e serviços de apoio às empresas as principais empregadoras de capital estrangeiro - são 37% contra 30% da indústria transformadora.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG