Bolsa abre a cair 0,52% já sem BES

A Bolsa de Lisboa abriu hoje em baixa, com o PSI20, o principal índice da praça lisboeta, a cair 0,52%, para os 5.381,28 pontos.

Por decisão da Nyse Euronext, a gestora da bolsa portuguesa, a partir de hoje as ações do BES são excluídas do PSI20, o índice onde estão cotadas as maiores empresas portuguesas, a um preço de zero euros (0,00euro), que é tido como preço de referência para cálculos de carteira.

Os títulos do BES estão suspensos de negociação desde as 15:42 de 01 de agosto, quando a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou essa decisão até à divulgação de "informação relevante sobre o emitente". Então, as ações afundavam e cotavam no mínimo de 0,12 euros.

Na sexta-feira, o PSI20 caiu 0,80%, para 5.409,55 pontos, renovando o mínimo desde julho do ano passado, com a banca em baixa e a construtora Teixeira Duarte a cair mais de 6%.

Dos 18 títulos cotados, 14 encerraram a semana em baixa, a EDP Renováveis inalterada e três em baixa.

As ações do BES são excluídas hoje do PSI20, continuando os títulos no índice geral mas suspensos de negociação, ficando assim o principal índice da bolsa portuguesa reduzido a apenas 18 cotadas.

A decisão da Nyse Euronext, a gestora da bolsa portuguesa, aconteceu depois de no domingo, 03 de agosto, o Banco de Portugal ter tomado o controlo do BES, que foi extinto nesse dia tal como era conhecido até então. As ações do BES saem do PSI20 a zero euros (0,00euro), valor tido como preço de referência para cálculos de carteira.

Apesar de só agora saírem do PSI20, as ações do BES estão suspensas de negociação já há mais de uma semana, desde sexta-feira 01 de agosto, numa decisão tomada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Os dias que antecederam a decisão do regulador do mercado foram de grande volatilidade para as transações do banco fundado pela família Espírito Santo e, só nos 42 minutos antes da suspensão de negociação, foram comercializadas 83 milhões de ações do banco.

O elevado volume e a intensa volatilidade de negociações de ações do BES nessa sexta-feira já levou a CMVM a abrir uma investigação para saber se houve fugas de informação.

Este tema parece ter mesmo aberto uma 'frente de batalha' entre a CMVM e o Banco de Portugal, com a CMVM a já ter feito dois comunicados em que esclareceu que só tomou a decisão de suspender as ações do BES naquela sexta-feira pelas 15:42 porque só nesse momento teve "conhecimento de iminentes desenvolvimentos que vieram a ser conhecidos durante o fim-de-semana" a propósito da solução para o BES.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG