Bancos gregos vão receber mais 3,3 mil milhões de euros

BCE aumenta limite máximo dos empréstimos aos bancos gregos para 68,3 mil milhões de euros.

O Banco Central Europeu (BCE) prolongou hoje o acesso dos bancos gregos ao mecanismo de empréstimos de emergência, que tem sido uma tábua de salvação para o setor bancário helénico, aumentando o teto para 68,3 mil milhões de euros.

A informação é avançada pela agência de notícias francesa (AFP), que cita uma fonte do setor bancário.

"O aumento foi aprovado", adiantou à AFP uma fonte próxima do processo, afirmando que foi também decidido o aumento do limite máximo para a concessão de empréstimos de emergência (ELA) aos bancos gregos para 68,3 mil milhões de euros.

Estes empréstimos têm funcionado como um 'pára-quedas' para os bancos gregos, atormentados por problemas de liquidez, enquanto prosseguem as negociações entre Atenas e os credores acerca da dívida soberana.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.