Banco grego compra filiais de bancos cipriotas na Grécia

O Banco do Pireu, o terceiro maior grego ao nível do crédito, vai comprar "as filiais dos bancos cipriotas na Grécia", anunciou hoje o Fundo helénico de Estabilização Financeira (HFSF).

A concretização da operação "depende da aprovação da Direção-geral da Concorrência e da Comissão Europeia", refere o fundo em comunicado.

Segundo uma fonte bancária grega, o Banco do Pireu deverá adquirir, numa primeira fase, as filiais gregas do Cyprus Bank e do Popular Bank, deixando para maos tarde o destino do Hellenic Bank, o terceiro banco com mais presença no país.

O Cyprus Bank e o Popular Bank, muito expostos à dívida grega, possuem mais de 290 filiais e cerca de 13 mil milhões em depósitos no país, segundo a imprensa económica da Grécia.

Os sindicatos que representam cerca de 5000 funcionários de três filiais cipriotas na Grécia manifestaram-se hoje em Atenas reclamando a manutenção dos seus postos de trabalho.

O custo desta aquisição varia, conforme as fontes, entre um a três mil milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.