Arménio Carlos diz que greve geral é de todos

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje que a greve geral é de todos os trabalhadores e não "desta ou daquela central sindical".

"Esta greve geral não é da CGTP ou daquela confederação sindical (UGT). Não, esta greve geral é de todos os trabalhadores portugueses. Não andamos aqui à procura de protagonismo, de ver quem vai à frente. A nossa preocupação é com as pessoas que estão nos locais de trabalho e de outros que queriam trabalhar e não têm onde", disse Arménio Carlos.

Falando aos jornalistas após um encontro de hora e meia com o Ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, o secretário-geral da CGTP reagia à decisão da UGT de aderir à greve geral de 27 de junho, anunciada na sexta-feira pela Intersindical.

"Neste caso concreto do plano da CGTP, teve a respetiva correspondência da parte da UGT de convergência na ação", disse o sindicalista, acrescentando que "tudo o que vier no sentido da convergência é sempre bem-vindo".

Reiterou, por isso, que "esta greve geral é de todos os trabalhadores, não é desta ou daquela central sindical e há que privilegiar aquilo que nos pode unir".

A UGT decidiu hoje que também vai fazer greve geral a 27 de junho, contra o agravamento das medidas de austeridade impostas pelo Governo.

O Secretariado Nacional e o Conselho Geral da UGT reuniram-se hoje para analisar a situação económica e social do país e decidiram que a central deve participar na greve geral de 27 de junho com a CGTP e sindicatos independentes.

A CGTP anunciou na sexta-feira uma greve geral para dia 27 de junho contra as políticas de austeridade do Governo e por eleições antecipadas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG