Álvaro: Portugal é "um país de gente capaz"

Portugal é "um país de gente capaz" de responder aos desafios "cada vez mais globais" e assentes em tecnologia avançada, caso do setor da aeronáutica, afirmou hoje o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, em Lisboa.

O governante, que falava durante a assinatura de contratos de parceria entre a empresa aeronáutica brasileira Embraer Defesa e Segurança e as portuguesas OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal e EEA - Empresa de Engenharia Aeronáutica para o desenho, prototipagem, construção e fornecimento de partes estruturais para o avião KC-390, garantiu que Portugal "é um país com gente capaz de responder aos desafios colocados por uma economia cada vez mais global e assente em tecnologia avançada".

Na ocasião, o governante destacou o facto de se estar perante um acontecimento que representa "um sinal de confiança" de um dos maiores fabricantes da indústria aeronáutica mundial, a Embraer, na capacidade tecnológica nacional para "conceber, desde o estado mais embrionário, equipamento de ponta para os aviões do futuro".

"É também um sinal da competência, já comprovada e reconhecida, para produzir não só estes segmentos desenhados em Portugal, mas também a fuselagem central do KC-390", salientou.

A Embraer prevê que o voo inaugural do KC-390 possa ocorrer já em 2014, disse Álvaro Santos Pereira, realçando que, quando o fizer, "vai ser a primeira vez que um avião voará com tecnologia desenhada, testada, e fabricada em Portugal".

De acordo com os termos do programa, a produção do primeiro protótipo será iniciada em 2013 e o voo inaugural está previsto para 2014.

Na ocasião, o ministro da Defesa, Pedro Aguiar-Branco, realçou que esta parceria com Embraer Defesa e Segurança "é um sinal de um exemplo sucesso (...) e que vai permitir estreitar as relações entre Portugal e o Brasil".

"Espero, ainda, que em 2016 as condições financeiras em que se encontrar Portugal permitam a aquisição destas aeronaves [KC-390]", sublinhou.

Para Aguiar-Branco, a aquisição por Portugal dos aviões seria "muito positiva" e significaria que o país tinha "ultrapassado com êxito" os momentos "mais difíceis que atravessa" e concretizara este projeto.

Entretanto, Santos Pereira falou ainda na possibilidade de outras empresas de componentes e informática poderem vir a estar na corrida para o fornecimento de software ao avião de transporte militar.

Disse também que, com estes contratos, se abriu "uma porta de entrada no mercado europeu e particularmente nos Estados que fazem parte da Aliança Atlântica".

O presidente da Embraer Defesa, Luiz Carlos Aguiar, realçou também a importância de a empresa ter "um país irmão" estratégico na Europa.

Já o presidente da OGMA, Almiro Borges, disse que o acordo reforça a estratégia da empresa: "É um programa de longo prazo e de fornecimento de alto valor acrescentado".

A Embraer anunciou em simultâneo, no Brasil, que fechou o acordo com as duas empresas portuguesas. Os Ministérios da Defesa dos dois países tinham assinado uma Declaração de Intenções, em setembro de 2010.

A Embraer vai criar 200 postos de trabalho directos na fase de produção para o KC-390.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG