AHRESP desconhece produto que a Nestlé está a retirar

O presidente da associação de restauração e hotelaria disse hoje desconhecer a existência de um produto da Nestlé com vestígios de ADN de cavalo, comercializado naquele setor, e garantiu que comer fora em Portugal é seguro.

A multinacional Nestlé identificou em Portugal um produto da marca com vestígios de ADN de cavalo. De acordo com fonte da empresa, trata-se de um "exclusivo do canal Horeca [significa que era vendido na restauração e hotelaria], comercializado pela Nestlé Profissional".

O mesmo responsável explicou tratar-se de um produto "vendido exclusivamente em hotelaria e em restauração" e que "já está a ser retirado do mercado".

"Estou convencido que essa situação não acontece no setor da restauração [em Portugal]", afirmou hoje o presidente da Associação da Hotelaria Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), Mário Pereira Gonçalves, em declarações à agência Lusa.

Para o presidente da AHRESP, a venda em restaurantes e hotéis de produtos alimentares de carne de vaca com vestígios de ADN de cavalo torna-se muito difícil, já que a maioria dos seus associados "são pequenas e microempresas que compram diariamente a talhos".

"Almoçar ou jantar nos restaurantes em Portugal é do mais seguro da Europa", sublinhou Mário Pereira Gonçalves.

O mesmo responsável explicou tratar-se de um produto "vendido exclusivamente em hotelaria e em restauração" e que "já está a ser retirado do mercado".

Nas últimas semanas foi descoberto o uso de carne de cavalo em produtos alimentares comercializados em vários Estados-membros da União Europeia, entre os quais a Alemanha, a França, o Reino Unido, a Áustria, a Noruega, a Dinamarca, a Holanda, a Suíça, a Suécia, a Irlanda e a Bélgica, o que já forçou a retirada de vários produtos dos mercados.

As autoridades sanitárias portuguesas e europeias garantem que estes produtos que contêm carne de cavalo não representam qualquer risco para a saúde humana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG