Comissão de Utentes da Linha de Sintra contesta aumento dos preços

A Comissão de Utentes da Linha de Sintra (CULS) condenou hoje o aumento, a partir de Agosto, do preço dos transportes públicos e apelou aos utilizadores dos transportes ferroviários para que protestem contra esta medida do Governo.

"Os portugueses já gastam mais de 14 por cento do seu orçamento familiar em transportes. Este aumento vai agravar ainda mais os orçamentos familiares de quem mora em Sintra, pois é uma situação que se vai juntar a tantas outras, como a redução dos salários e de reformas e do aumento generalizado dos serviços públicos e dos bens alimentares", disse à agência Lusa o porta-voz da CULS, Rui Ramos.

O Governo tinha fixado na semana passada em 15% o aumento médio nos preços praticados para os títulos de transportes rodoviários urbanos de Lisboa e do Porto, para os transportes ferroviários até 50 quilómetros e para os transportes fluviais.

Para a comissão de utentes, estes aumentos são uma medida "desincentivadora" do uso dos transportes colectivos e potenciadora da utilização do transporte individual que, no caso de Sintra, é a única alternativa aos comboios no acesso a Lisboa, através do congestionado IC19 (itinerário complementar). Rui Ramos adiantou à Lusa que a comissão de utentes vai promover ações concertadas para que os "utentes protestem" contra "estes aumentos incomportáveis para os bolsos" de quem mora na linha de Sintra.

Segundo contas feitas hoje pelo Sindicato dos Trabalhadores do Sector Ferroviário, o Passe CP para a zona 1 da Linha de Sintra é o título de transporte que mais aumenta na CP - Comboios de Portugal, passando de 22,75 euros para 28,5 a partir de 01 de Agosto.

Depois do Passe CP zona 1, o título que mais aumenta para quem viaja nos transportes da Linha de Sintra é o bilhete zona 2, que sobe 21,43 por cento, passando de 1,4 para 1,7 euros, enquanto o Passe CP zona 2 passa de 30,95 euros para 37,4 euros (mais 20,84%).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG