Resgate mais próximo com queda do Governo português

O resgate de Portugal está mais próximo depois da demissão de José Sócrates do cargo de primeiro-ministro, segundo a imprensa internacional de referência, que dá hoje ampla cobertura à crise política em Portugal.

O Financial Times (FT) volta a abrir a sua edição da Europa com a situação em Portugal, afirmando que "a crise política aumenta a possibilidade de um resgate" internacional, criando um potencial "vácuo político que complicaria as negociações sobre o pacote de apoio". O jornal cita vários analistas que consideram inevitável o resgate que pode surgir já "nos próximos dias".

Independentemente da crise, escreve o FT, esperanças de uma solução abrangente para a crise da dívida na zona euro estava já "a desaparecer" antes da cimeira europeia de hoje, com falta de acordo na ampliação do fundo de resgate.

O diário The Guardian remete o assunto para as páginas de economia, referindo que o resgate "está mais próximo depois de José Sócrates perder voto crucial" na Assembleia da República, com "o limbo político a pôr pressão sobre os títulos portugueses".

Num artigo assinado pelo correspondente em Madrid, o jornal britânico recorda que a demissão de Sócrates coincidiu com as notícias de Bruxelas de que a ampliação do fundo de resgate europeu continua sem acordo. O jornal cita um analista do RBS que dá conta do eventual impacto de um período eleitoral na situação económica geral do país, incluindo a dívida soberana.

"Parece cada vez mais provável que Portugal precisará de algum tipo de ajuda", refere um analista do Lloyds Bank citado pelo jornal.

A crise em Portugal tem chamada à primeira página no jornal The Times, como fazem outros periódicos do Reino Unido ou dos Estados Unidos, em muitos casos utilizando notícias das agências internacionais.

Do outro lado do Atlântico, o Los Angeles Times considera que "Portugal pode precisar de um resgate", por não conseguir aprovar o plano de austeridade, com a crise portuguesa a fazer sentir-se no euro, que "caiu depois de ter chegado ao nível mais elevado do ano na segunda-feira". "A crise poderá elevar ainda mais o custo dos empréstimos do país, já em níveis elevados. Isso poderá significar que Portugal não terá opção mas virar-se para o fundo de resgate da UE", refere.

A revista The Economist titula "A morte de Sócrates", referindo que a crise política torna quase inevitável um resgate económico do país.

"Na Irlanda, o resgate ajudou a forçar o Governo a convocar eleições antecipadas. Em Portugal, eleições antecipadas podem forçar o Governo a aceitar um resgate. A questão é, que Governo?", escreve a revista na sua edição online. "Poucos duvidam que Portugal está próximo do momento em que não tem mais alternativa que solicitar assistência do fundo de resgate europeu", sublinha.

O assunto suscitou até a atenção no Canadá, com um articulista do Globe and Mail a referir que "a temperatura de crise também está a aumentar na Europa", um tema que raramente encontra espaço "perante as crises na Líbia ou no Japão".

BBC, CNN, Forbes, Business Week, The Australian e The Sydney Morning Herald foram outros dos órgãos de informação de referência que deram destaque à crise em Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG