Passos quer Portugal fiscalmente competitivo em 6 anos

Primeiro-ministro espera que Portugal possa tornar-se fiscalmente mais atrativo para pessoas, capitais e empresas.

O "Público" escreve que "o primeiro-ministro reconheceu ontem implicitamente que o Governo não tem forma de impedir que as grandes empresas portuguesas recorram a regimes fiscais mais favoráveis na União Europeia (UE) para pagar os seus impostos, mas sublinhou que espera que Portugal também se possa tornar fiscalmente competitivo no quadro de uma reforma do IRC a realizar num horizonte de seis a sete anos".

Segundo o jornal "Passos Coelho reconheceu que não há grande volta a dar à concorrência fiscal entre os países da UE, pois não há uma harmonização da fiscalidade direta. "Não há dúvida nenhuma de que há países que têm regimes fiscalmente mais competitivos, ou mais atrativos, do que outros", reconheceu, afirmando, no entanto, que "espera que Portugal possa tornar-se fiscalmente mais atrativo para pessoas, capitais e empresas, embora sublinhando que isso só pode acontecer num horizonte de seis a sete anos, depois da redução das despesas públicas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG