Particulares vão ter direito a um máximo de 20% dos CTT

Dos 70% que vão ser privatizados, só 20% são para o retalho, incluindo o lote de 5% de ações reservado aos trabalhadores. O resto será reservado a investidores instuticionais.

O "Diário Económico" escreve hoje que "os investidores particulares poderão subscrever até 20% das ações dos CTT que vão ser privatizadas. O Governo vai vender até 70% do capital dos CTT em bolsa, no que vai ser o primeiro IPO no mercado português desde 2008. Este lote inclui os 5% reservados aos trabalhadores e o restante será distribuido pelos investidores institucionais através de um consórcio de bancos. estes valores fazem parte do cenário-base mas podem, contudo, ser alterados consoante a procura. Na prática, só um quinto das ações a vender são para os investidores particulares do retalho".

Segundo o jornal "estes 20% das ações a vender representam 14% do capital da empresa (que inclui, naturalmente, os 30% que o Estado vai manter em seu poder). Se os trabalhadores dos CTT comprarem todas as ações a que têm direito, então o montante de capital disponível para a compra no retalho é ainda menor, podendo ficar pelos 9% do capital da empresa".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG