Justiça gastou mais em cartas e rendas que em apoio judiciário

Só em correspondência dos tribunais de primeira instância foram gastos 31,7 milhões de euros em 2012, revelam contas do Instituto de Gestão Financeira da Justiça.

O "Jornal i" escreve hoje que "o Ministério da Justiça gastou mais em correspondência expedida pelos tribunais de 1ª instância e em rendas de edifícios do que em apoio judiciário em 2012. Esta é uma das conclusões que se pode retirar do relatório de atividades de 2012 do Instituto de Gestão Financeira e de Infra-estruturas da Justiça (IGFIJ), o organismo que gere os dinheiros do ministério liderado por Paula Teixeira da Cruz".

Segundo o jornal "o documento, que acaba de ser divulgado já com alguns meses de atraso, revela que o ministério pagou 45,9 milhões de euros em apoio judiciário, o que representa um decréscimo de 34,2 milhões (42,7%) em relação ao verificado em 2011. Já os gastos com os CTT e a locação de edifícios (rendas) totalizaram os 46,3 milhões".

Exclusivos