Videovigilância é obrigatória em farmácias e ourivesarias

Todas as ourivesarias, bancos, farmácias e gasolineiras são obrigados, a partir de hoje, a ter videovigilância. Governo também impõe "escolta" a empresas que transportem valores superiores a 15 mil euros.

O "Jornal de Notícias" escreve hoje que "a medida da videovigilância está contemplada na nova lei da segurança privada, que entra hoje em vigor, e pretende "prevenir a prática de crimes" em instalações com maior risco de assaltos violentos. Abrangidos são "os estabelecimentos onde se proceda à exibição, compra e venda de metais precisos e obras de arte", assim como farmácias, postos de combustível, "instituições de crédito e sociedades financeiras" (bancos incluídos) e grandes superfícies comerciais, estas com uma área bruta locável superior a 20 mil metros quadrados".

Segundo o jornal "o documento estabelece que, em geral, as entidades "devem adaptar-se às condições impostas" no prazo de um ano e, no caso concreto das ourivesarias, farmácias e bombas, são "exigíveis" a partir de 1 de setembro de 2014. As empresas de segurança têm seis meses".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.