Subsído de férias nas mãos de Cavaco Silva

Governo avisado que terá de pagar em junho se a promulgação chegar tarde. A responsabilidade cabe agora ao Presidente da República.

O semanário "Sol" escreve hoje que "no dia em que todos vieram criticar o Governo por não pagar em junho o subsídio de férias que o Tribunal Constitucional obrigou a pagar, o Executivo recebeu um alerta interno: se a nova lei que permitirá o adiamento parcial desse pagamento não entrar em vigor até dia 30 de junho, o Governo estará em situação de ilegalidade, caso não pague esses subsídios imediatamente. Esse compormisso acabaou por ser dado pelo secretário de Estado do Orçamento num debate na Assembleia da República. Mas no Governo todos esperam a compreensão do Presidente da República pelo aperto do calendário - e uma promulgação rápida. Tão rápida que a lei deve chegar a Belém no início da próxima semana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.