Segurança Social apoiou menos 168 mil pessoas

No final de março, o número de beneficiários das principais prestações sociais era de 2 milhões. Um ano antes eram mais 168.041. Subsídio de desemprego foi o que mais caiu.

O "Jornal i" escreve hoje que "os serviços da Segurança Social apoiavam um total de 2.044.063 pessoas no que toca ás principais prestações sociais, excluindo as pensões, no final de março deste ano. Este número representa uma diminuição de 168.041 pesoas em relação ao número de beneficiários de subsídio de desemprego, abono de família, subsídio de doença, rendimento social de inserção e complemento de solidário do idoso no final do primeiro trimestre de 2013".

Segundo o jornal, "de acordo com os dados ontem divulgados pelo Instituto d segurança Social (ISS), o subsídio de desemprego foi a prestação que mais beneficiários perdeu em termos absolutos. Em março, os serviços do ministério liderado por Pedro Mota Soares pagaram 369 mil subsídios, o que traduz um decréscimo de 49,6 mil (11,8%) relativamente ao mês homólogo do ano passado. Este número significa, por outro lado, que em março deste ano 320.792 desempregados (46,5%) não recebiam subsídio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.