Relvas ajudou Tecnoforma a ter monopólio de aeródromos

Projeto avaliado em 1,2 milhões de euros visava formar empregados municipais para funções que não existiam nos aeródromos do centro. Previa 1063 formandos para nove aeródromos municipais, todos na região Centro.

Segundo o jornal Público, dos nove aeródromos apenas três tinham atividade, ainda que residual, e uma dezena de trabalhadores. A formação devia custar 1,2 milhões de euros. As outras regiões chumbaram o plano.

O projeto de formação profissional de técnicos camarários para aeródromos municipais, que Relvas lançou enquanto secretário de estado da Administração Local, em 2004, foi feito à medida dos interesses da Tecnoforma - empresa ligada a Passos Coelho -, preparado previamente com ela e sem concorrência.

A candidatura era destinada apenas à região centro, e foi a mais cara de todas as aprovadas nas cinco regiões do país entre 2002 e 2008, no quadro do programa Floral, adianta o Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.