Processos contra BPN já custaram dez milhões ao Estado

A nacionalização do banco de Oliveira Costa trouxe, entre outras heranças, as ações por ex-clientes e trabalhadores.

O "Diário Económico" escreve hoje que "o Estado gastou até hoje, por conta das ações que estão a decorrer em tribunal contra o ex-BPN, cerca de dez milhões de euros. A fatura diz respeito, concretamente, ao período de três anos que vai de 2011 ao final de 2013, momento a partir do qual começaram a surgir os primeiros desfechos de processos contra aquela instituição, herdados pelo Tesouro português por força na nacionalização de 2008".

Segundo o jornal, "são, pelo menos, 180 os processos - cíveis e laborais - que foram colocados contra o banco desde que este foi nacionalizado, muito impulsionados pelo sucessivo desvendar das alegadas irregularidades cometidasa no antigo grupo de José Oliveira Costa ao longo do tempo. O montante reclamado supera os 300 milhões de euros, lembra a Parvalorem. Nos perto de dez milhões de euros já suportados estão incluídas as condenações sofridasa e todos os restantes custos com litígios, custos fiscais, administrativos, processuais e com honorários de advogados. Deste "bolo" farão ainda parte indemnizações pagas não por sentença judicial mas por acordos atingidos antes de as ações chegarem sequer á barra dos tribunais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.