Presos ameaçam com motim contra comida "estragada"

Reclusos da cadeia de Santa Cruz do Bispo fazem "levantamento de rancho" e exigem comida "para as pessoas".

O "Jornal de Notícias" escreve hoje que "quase 100% dos reclusos do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos, que tem cerca de 620 presos, recusaram, ontem, as refeições do almoço e do jantar. Grantem que a comida é pouca e que lhes dão frequentemente peixe podre e outros alimentos em condições degradantes". Segundo o jornal, "os reclusos manterão o "levantamento de rancho", que dizem ser uma espécie de greve de fome, até amanhã e esperam que, na próxima segunda-feira, a situação melhore. Caso contrário, voltam à "greve" e ameaçam com um motim. entretanto, a Direção-Geral de Reiserção e Serviços Prisionais desmentiu "que se tenha verificado qualquer greve de fome" naquela cadeia. Admitiu, no entanto, não terem comparecido ao almoço alguns reclusos e garantiu que "nenhum preso formalizou, nos termos da lei, que se encontrava em greve de fome".

Segundo o jornal, "apesar da Direção-Geral de Reiserção e Serviços Prisionais garantir que "o fornecimento de refeições "é um serviço contratualizado e a qualidade dos alimentos obedece a critérios rigorosos, definidos por médicos e nutricionistas", os reclusos têm uma opinião distinta, afirmando que "a comida é imprópria para pessoas, cheira mal, as batatas vêm cheias de bolor e o peixe vem podre", acusando os responsáveis de "misturar sobras de outras refeições anteriores com as do dia".

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.