Portugueses gastam mais em telecomunicações que a média europeia

Os portugueses preferem pacotes de oferta tripla e ainda não aderiram à 4G. Mas estão sempre á procura de alternativas. Este ano, a PT já ultrapassou a Zon em vendas

O "Jornal i" escreve hoje que "Portugal tem uma taxa de penetração de pacotes de serviços de telecomunicações no lar de 49%, acima da média da União Europeia, que se fica pelos 45%. Dos 27, a Holanda bate o recorde, com 66%, e a Finlândia fica na cauda do pelotão, com 19%. Os resultados são do E-communications Household Survey, realizado em fevereiro e março deste ano, e mostram que há grandes diferenças entre os diversos países, mas também alguns pontos em comum. A preferência por mais de um serviço agregado num único operador é uma tendência que se verifica não só em Portugal, onde o crescimento é mais acentuado, mas na média dos países da União Europeia".

Segundo o jornal, "os dados sugerem ser nas áreas mais povoadas que a tendência é mais elevada para comprar pacotes de serviços do que naquelas onde há menos densidade populacional. No entanto, no caso português, a disparidade entre a taxa de penetração dos pacotes de serviços nas áreas rurais e a taxa de penetração nas grandes cidades é muito superior (quase o dobro) à média da Europa comunitária".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.