Portugueses gastam mais em telecomunicações que a média europeia

Os portugueses preferem pacotes de oferta tripla e ainda não aderiram à 4G. Mas estão sempre á procura de alternativas. Este ano, a PT já ultrapassou a Zon em vendas

O "Jornal i" escreve hoje que "Portugal tem uma taxa de penetração de pacotes de serviços de telecomunicações no lar de 49%, acima da média da União Europeia, que se fica pelos 45%. Dos 27, a Holanda bate o recorde, com 66%, e a Finlândia fica na cauda do pelotão, com 19%. Os resultados são do E-communications Household Survey, realizado em fevereiro e março deste ano, e mostram que há grandes diferenças entre os diversos países, mas também alguns pontos em comum. A preferência por mais de um serviço agregado num único operador é uma tendência que se verifica não só em Portugal, onde o crescimento é mais acentuado, mas na média dos países da União Europeia".

Segundo o jornal, "os dados sugerem ser nas áreas mais povoadas que a tendência é mais elevada para comprar pacotes de serviços do que naquelas onde há menos densidade populacional. No entanto, no caso português, a disparidade entre a taxa de penetração dos pacotes de serviços nas áreas rurais e a taxa de penetração nas grandes cidades é muito superior (quase o dobro) à média da Europa comunitária".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.