Nova "Pirâmide" chega a Portugal e seduz milhares

Esquema para ganhar dinheiro fácil chegou a Portugal: basta pôr anúncios na Internet e vender pacotes de comunicações, recebendo comissões. A promotora, a americana TelexFree, está sob investigação noutros países.

O semanário "Sol" escreve hoje que "o anúncio é tentador:"Ganhe, no mínimo, de 20 a 100 dólares por semana, sem ter que convidar ninguém, sem ter que vender nada e no conforto do seu lar". É assim que a americana TelexFree promove o seu negócio, cujos aderentes têm apenas de copiar e colar anúncios na internet, a troco de uma remuneração mínima garantida. Depois, ganham comissões pelos aderentes que recrutarem. Na Madeira, onde o esquema começou há alguns meses e em força, há já milhares de pessoas convertidas ao negócio - incluindo funcionários públicos, professores, políticos, advogados, militares e polícias. Uns aproveitam para compor o ordenado, mas outros já fazem disto a sua atividade principal e ganham milhares de euros por mês".

Segundo o semanário, "os aderentes da TelexFree denominam-se "divulgadores" e, muitos deles, os chamados "team builder", andam numa roda-viva de reuniões em cafés, hotéis e conferências via Facebook, recrutando amigos e conhecidos para investirem. A 20 de Agosto último, um desses "team builders" postou com satisfação na sua página na Internet que a Madeira havia chegado a mais de 100 mil contas TelexFree".

Deco e Polícia Judiciária aconselham prudência. "Embora até agora ainda não haja nenhuma queixa ou investigação por causa de esquemas em pirâmide, os eventuais casos de burla só costumam surgir quando a empresa ou os "divulgadores" do topo da pirâmide começam a não fazer o pagamento dos montantes investidos. A TelexFree tem as suas contas bloqueadas no Brasil e está a ser alvo de uma investigação judicial. Outros países latinos como a República Dominicana e o Peru desconfiam do negócio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".