Ninguém quer ser responsável pela ponte Maria Pia

A histórica ponte que serviu os comboios entre as margens do Porto e Gaia durante 114 anos encerrou em 1991. A Refer já tentou livrar-se da sua manutenção e as autarquias não a querem.

O "Jornal de Notícias" escreve que a ponte D. Maria Pia, que serviu os comboios entre as margens do Porto e Gaia durante 114 anos, está ao abandono. Não tem uso há duas décadas e a sua eventual reutilização é uma incógnita.

Dos vários projectos que foram sendo apontados para a travessia nenhum foi concretizado. Depois de desactivada, a ponte projectada pelo francês Théophile Seyring e inaugurada em 1877 só foi resgatada do marasmo quando, em 2009, foi pintada. Desde então nunca mais teve vida e as suas extremidades estão encerradas com grades e os carris enferrujados revelam que por ali nada acontece há muito tempo. É a Refer, proprietária da ponte, que deve zelar pela sua manutenção, mas já tentou livrar-se dessa tarefa, entregando-a às câmaras de Porto e Gaia. As autarquias rejeitaram

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...