Navio Atlântida já levantava dúvidas nos primeiros testes

O navio de luxo construído pelos Estaleiros de Viana e que foi rejeitado pelos Açores vai ser vendido na próxima semana em concurso internacional

O "Público" escreve hoje que "da encomenda à rejeição pelos açores, o caso do ferry-boat Atlântida atravessou três administrações dos Estaleiros Navias de Viana do Castelo e ocorreu numa altura em que os dois governos, o da República e o dos Açores, eram socialistas. De um lado, José Sócrates, do outro, Carlos César. Esa semana é colocado à venda, em concurso internacional e sem valor-base".

Segundo o jornal, "o navio de luxo que não serviu à Atlanticoline tem alojamento de grande qualidade, salão, casino, pista de dança, restaurante e infantário. Condições que agradaram a Hugo Chávez quando visitou os Estaleiiros de Viana em 2010, mas o negócio não se concretizou. O navio apresenta vários problemas de construção que têm dificultado a venda. Os problemas de construção do ferry-boat, que foram entregues ao estaleiro em 2006, surgiram ainda os navio não passava de um esboço. O Estaleiro de Viana pediu novos testes aos autores do anteprojeto e projeto do Atlântida mas a Petronav já tinha destruído o modelo. Mesmo assim, apesar das dúvidas suscitadas o estaleiro não desistiu do projeto do navio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.