Motoristas bem pagos por Francisco José Viegas

A Secretaria de Estado da Cultura paga a cada um dos seus quatro motoristas um salário de 1866 euros, o que os coloca no grupo dos mais bem pagos do Governo. Um deles, com apenas 21 anos, aufere quatro vezes mais que qualquer motorista de Passos Coelho.

Segundo o "Jornal de Notícias", os quatro motoristas da Secretaria de Estado da Cultura são os funcionários que mais auferem no Governo de Passos Coelho, ultrapassando quase todo o secretariado e colaboradores dos restantes ministérios, de acordo com os dados sobre as nomeações governamentais, disponíveis na página do Executivo na Internet.

Liderada por Francisco José Viegas e tutelada pelo primeiro-ministro, aquela Secretaria de Estado atribui a cada um dos motoristas um vencimento base de 1866,73 euros. Armando Cardoso, 48 anos, Sérgio Campos, 35, Nuno Gonçalves, 34, e André Viola, com 21 conseguem auferir quatro vezes mais do que os 583,58 euros atribuídos a Jorge Morais, 46 anos, motorista de Passos Coelho.

Fonte oficial da Cultura classificou o cenário como "normal", de acordo com "uma uniformidade de critérios", que pode não ter sido seguida pelas restantes pastas quando forneceram os dados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.