Milhões do ouro fogem ao Fisco para pagar luxos

Numa gigantesca fraude envolvendo a compra, venda e exportação de ouro foi ontem desmantelada pela PJ, que fez 115 buscas e seis detidos. À custa de lesarem o Fisco em 30 milhões de euros, tinham vidas de luxo.

O "Jornal de Notícias" escreve hoje que "o núcleo duro dos mentores do esquema de fraude fiscal e branqueamento de capitais estava centrado em Gondomar mas tinha tentáculos espalhados por todo o país, desde o Norte, pasando por Lisboa e terminando no Algarve. Estão em causa indivíduos que direta ou indiretamente têm vindo a controlar várias redes de lojas de compra de ouro e estabelecimentos de penhores. E que dominavam ainda um esquema de exportação, para Espanha, de ouro derretido e já transformado em barras, ora totalmente á margem do Fisco ora com declarações abaixo das quantidades e valores reais". O que, só em 2012 lesou o erário público em IVA e IRC em 30 milhões de euros. Na mira das autoridades está, entre outras empresas, a cadeia de estabelecimentos prestamistas "Credital", com lojas de Norte a Sul do país".

Segundo o jornal, "os principais arguidos, que eram vistos a circular em carros topo de gama, faziam vidas de luxo gastando o dinheiro que desviavam do Fisco em casas, terrenos, depósitos bancários, aplicações financeiras e quotas em várias sociedades".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.