Maior destruição de empregos de sempre em Portugal

No primeiro trimestre deste ano havia menos 229,3 mil postos de trabalho do que no arranque de 2012. A destruição de emprego está a afetar sobretudo o pessoal dos quadros.

O "Diário Económico" escreve hoje que "a economia portuguesa está a destruir empregos ao maior ritmo de sempre. No último ano foram cortados 229,3 mil postos de trabalho, o equivalente a uma média de 19 mil empregos destruídos todos os meses. Os dados foram revelados ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e resultam numa taxa de desemprego de 17,7%".

Segundo o jornal, "mesmo recuando a 1983 - quando o INE começou a reunir estatísticas sobre o emprego - não se consegue encontrar uma variação homóloga (face ao mesmo trimestre do ano anterior) tão negativa no número de postos de trabalho como a registada nos primeiros três meses deste ano. Olhando para a variação em cadeia (face ao trimestre anterior) também não houve nenhum arranque de ano tão negro como este. Os dados mostram que o mercado de trabalho está longe de ter acabado de ajustar à nova realidade imposta pela crise, numa altura em que o programa da troika se aproxima do último terço".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.