Linha Porto-Vigo tem 11 passageiros por viagem

O serviço dava um prejuízo total de 232 mil euros por ano. O sistema de venda de bilhetes e a ausência de revisor em Espanha permitem que a viagem se possa fazer sem pagar.

A notícia é avançada pelo "Público" de hoje, em sequência da supressão da ligação internacional. O ano passado, este serviço acarretou para a CP uma despesa de 450 mil euros, enquanto os lucros não foram além dos 218 mil euros. Ainda segundo o jornal, os bilhetes devem ser adquiridos desde a estação de origem até à fronteira, devendo o bilhete para o resto da viagem ser comprado directamente ao revisor. No entanto, é frequente não aparecer revisor no troço entre a fronteira e Vigo, o que faz com que muitos passageiros não paguem no lado espanhol.

Para além do mais, a CP informa que entre Valença e Vigo viajam anualmente 15.500 passageiros - uma media de 11 passageiros pagantes por comboio. Acresce ainda que o comboio apresenta pouca capacidade competitiva face à rodovia, tendo a ultima tempos de deslocação mais rápidos a preços semelhantes. Enquanto o comboio demora 3 horas e 20 minutos, o autocarro demora apenas 2 horas, no mesmo trajecto entre Porto e Vigo.

A ligação directa Porto-Vigo, que comemoraria 100 anos em 2013, esteve quase a ser interrompida no Verão de 2005, mas os protestos que se levantaram no lado espanhol obrigaram a CP a recuar. O porta-voz do Ministério da Economia, das Obras Publicas e dos Transportes adiantou ao jornal que o Governo não iria comentar a decisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.