INPI autorizou vinho com o nome de Salazar

O vinho, de nome 'Terras de Salazar', foi já aprovado em 2011, no entanto, nunca chegou ao mercado porque o seu proprietário terá falido.

Ao contrário do que aconteceu com o vinho 'Memóprias de Salazar', que foi rejeitado em outubro pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), a nova marca, 'Terras de Salazar', foi aprovada pelo mesmo organismo público. Ainda assim nunca conseguiu chegar ao mercado, notícia o jornal I.

O presidente da Câmara de santa Comba Dão tinha iniciado em março o processo para registar a marca 'Memórias de Salazar'. O pedido foi recusado por ser suscetível de "ferir a consciência coletiva", diz o I. Posto isto, o autarca de Santa Comba Dão quer fazer uma nova proposta, que contenha sempre o nome de Salazar.

Quando confrontado com o facto de o INPI ter aprovado, no ano passado, um outro vinho com o nome de Salazar, 'Terras de Salazar', depois de ter rejeitado o seu, o autarca afirmou ter conhecimento desse facto, alegando que o produto nunca chegou ao mercado por dificuldades financeiras do proprietário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.