Gravação à socapa trama inspectores do trabalho

O DIAP de Lisboa acusa um ex-inspector do trabalho de corrupção e usa como prova uma gravação não autorizada de pedido de luvas. E iliba quem a fez, conta hoje o Jornal de Notícias.

Trata-se de uma decisão inédita que contrasta com a acusação de Ricardo Sá Fernandes, há meio ano, por gravação ilícita, escreve o Jornal de Notícias.

A gravação violou o "direito à palavra" do inspector reformado, mas era justificada pela ameaça que a sua conduta representava para a outra parte, conclui a procuradora Ana Margarida Santos.

Para o DIAP a gravação foi feita também ao abrigo de um "direito de necessidade".

Exclusivos