Governo tira autonomia aos hospitais para decidir remédios

Ministério da Saúde vai passar a decidir, através de uma comissão de peritos, o leque de medicamentos à disposição dos hospitais. Ministro Paulo Macedo quer ter lista de remédios, comum a todos os hospitais, decidida até ao final do ano.

O "Diário Económico" escreve hoje que "até ao final do ano, os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão perder a autonomia de decisão sobre os medicamentos que podem utilizar para tratar os seus doentes. A decisão passa assim para as mãos do Governo, através de uma comissão de peritos encarregue de analisar e escolher o leque de remédios à disposição nos hospitais".

Segundo o jornal, "a Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT), criada em fevereiro passado, e que conta com 24 especialistas, já está a trabalhar e já emitiu a lista de remédios à disposição dos hospitais para tratar a Sida, a esclerose múltipla e o cancro da próstata. A criação de um formulário único nacional de medicamentos, que inclui orientações para o tratamento de todas as patologias, deverá estar concluído até ao final do ano. A criação deste novo formulário nacional sobrepor-se-á a qualquer decisão individual ou coletiva dos hospitais. Uma fonte ligada ao processo afirma que não está em causa um "racionamento" de medicamentos, mas sim a "equidade de tratamento": o doente terá acesso aos mesmos remédios, independentemente do hospital onde seja tratado. O objetivo, garante, é a "uniformização do acesso" e pelo caminho "evitar também algum desperdício".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.