Fisco recusa metade das imparidades da banca

Já estão em curso as inspeções para rever a matéria coletável. O Fisco vai começar pelo ano de 2010. Em causa estão vários milhões de euros.

Os bancos estão a ser obrigados, pelo Fisco, a rever a forma como têm vindo a deduzir as perdas com partes de capital no seu IRC.Em vez de as considerarem como custo fiscal a 100% como até agora, as imparidades só podem ser abatidas pela metade, o que aumentará a sua fatura fiscal, noticia o Jornal de Negócios.

A decisão decorre de um parecer da Autoridade Tributária e Aduaneira que envolve vários milhões de euros de correções à matéria estável. 2010 foi o primeiro ano em que esta nova interpretação teve impacto, pelo que o Fisco está a começar a refazer as faturas fiscais dos bancos.

Na origem destas correções, que afetam sobretudo os bancos que, nos últimos anos registam maiores perdas nas suas carteiras de participações, está um dúvida de interpretação sobre o regime aplicável ao setor bancário.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.