Fisco caça homem mais rico de Portugal

As Finanças detectaram 3,1 milhões de euros em despesas ilegais na contabilidade da Holding2. Américo Amorim recusa pagar 750 mil euros ao Estado de IRC.

O "Jornal de Notícias" escreve que os Serviços de Inspecção da Direcção de Finanças de Aveiro (DFA) detectaram irregularidades na Amorim Holding2, pertencente ao empresário Américo Amorim, relativas aos anos de 2005, 2006 e 2007. Os inspectores encontraram despesas pessoais, que ascendem a centenas de milhões de euros, incluídas na contabilidade da holding. O rol de despesas é extenso e vai desde viajens da família para destinos turísticos a despesas com massagens, passando por tampões higiénicos e mercearia.

Segundo as Finanças, a "empresa mãe" de Américo Amorim apresentou cerca de 3,1 milhões de euros de despesas indevidas, umas pessoais e outras da empresa, mas não justificadas, que não deveriam ter sido contabilizadas para efeitos fiscais. Segundo as Finanças, a Amorim Holding2 terá de entregar cerca de 750 mil euros de imposto sobre o Rendimento de Pessoas Colectivas (IRC) relativos à correcção fiscal dos 3,1 milhões de euros.

Exclusivos