Famílias surpreendidas com aumentos de 5% na Luz

Aumento de 2,8% nas tarifas fixadas pela ERSE é uma média que cruza dois factores: o preço da potência baixou, mas a parte variável, relativa à energia consumida, disparou.

O "Jornal de Negócios" escreve hoje que "os aumentos de 2,8% nas tarifas de electricidade fixadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) para este ano não estão a ser iguais para todos os consumidores. Uma vez que se trata de uma média que cruza dois factores - o preço da potência contratada baixou, mas a parte variável da energia subiu -, há famílias que estão a sofrer um aumento mais vincado da sua factura, sobretudo nos casos de maior consumo".

Segundo simulações do jornal, "famílias com elevados consumos acima de 500 kilowatts hora por mês, irão sofrer um agravamento da sua factura superior a 5%".

Segundo o jornal, "a subida média de 2,8% determinada pela ERSE assenta em dois factores essenciais: o encargo da potência contratada pelas famílias ficou mais barato, mas o preço da energia consumida encareceu. Uma combinação que gera efeitos díspares para quem está "fora da média".

Apesar de alguns clientes se mostrarem surpreendidos com os aumentos a associação de defesa do consumidor, Deco, diz não ter recebido qualquer reclamação relacionada com discrepâncias entre o aumento de 2,8% anunciado pelo regulador e as subidas que efectivamente se aplicarão nas faturas de electricidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.