Famílias surpreendidas com aumentos de 5% na Luz

Aumento de 2,8% nas tarifas fixadas pela ERSE é uma média que cruza dois factores: o preço da potência baixou, mas a parte variável, relativa à energia consumida, disparou.

O "Jornal de Negócios" escreve hoje que "os aumentos de 2,8% nas tarifas de electricidade fixadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) para este ano não estão a ser iguais para todos os consumidores. Uma vez que se trata de uma média que cruza dois factores - o preço da potência contratada baixou, mas a parte variável da energia subiu -, há famílias que estão a sofrer um aumento mais vincado da sua factura, sobretudo nos casos de maior consumo".

Segundo simulações do jornal, "famílias com elevados consumos acima de 500 kilowatts hora por mês, irão sofrer um agravamento da sua factura superior a 5%".

Segundo o jornal, "a subida média de 2,8% determinada pela ERSE assenta em dois factores essenciais: o encargo da potência contratada pelas famílias ficou mais barato, mas o preço da energia consumida encareceu. Uma combinação que gera efeitos díspares para quem está "fora da média".

Apesar de alguns clientes se mostrarem surpreendidos com os aumentos a associação de defesa do consumidor, Deco, diz não ter recebido qualquer reclamação relacionada com discrepâncias entre o aumento de 2,8% anunciado pelo regulador e as subidas que efectivamente se aplicarão nas faturas de electricidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.