Estado perde 50 milhões em IMI com benefícios questionáveis

Mais de 100 milhões de euros da despesa fiscal em IMI dirige-se a empresas. Parte tem vindo a ser questionada tecnicamente.

O "Jornal de Negócios" escreve hoje que "o Estado concede mais de 100 milhões de euros por ano em isenções de IMI a prédios pertencentes a fundos de investimento imobiliários, fundos de pensões e a empresas privadas, 15% de toda a despesa fiscal em IMI, mostram dados a que o jornal teve acesso. Se uma parte deles são considerados adequados, outra parte é pouco consensual e tem vindo a ser alvo de recomendações técnicas no sentido da sua redução ou extinção. A isenção aos fundos de investimento imobiliário tem sido das mais criticadas".

Segundo o jornal, "apesar da troika ter obrigado à divulgação de um relatório sobre a despesa fiscal em Portugal, a informação pública sobre os beneficios em sede de IMI continua a ser escassa e os dados detalhados inacessíveis. O referido relatório da despesa fiscal só publica informação por grandes agregados, a Autoridade Tributária não os detalha em outros documentos oficiais e a secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais, instada a ceder informação, mantém-se em silêncio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.